quinta-feira, 7 de junho de 2012

Encontro de filhos de cangaceiros: No Sertão Alagoano seguimos as trilhas de Lampião

Desde a última vez em que estive com o cangaceiro Moreno que prometi a ele encontrar familiares do seu irmão Jacaré.
Jacaré foi um dos acusados da morte de Delmiro Gouveia e por isso foi preso e assassinado.
Conversando com Nely (filha de Moreno e Durvinha) reafirmei a promessa que havia feito ao pai dela.
Certo dia recebi um telefonema do sr. Aldiro, residente do povoado Alto dos Coelhos, Água Branca, Alagoas. Aldiro queria me conhecer pessoalmente e me apresentar seu tio João Maurício, filho do cangaceiro Barra Nova. Segui para o Alto dos Coelhos e depois de conversarmos um pouco e travar alguns contatos conheci enfim João Maurício. alguns dias depois desse encontro retornei ao Alto dos Coelhos e Aldiro me falou sobre umas sobrinhas de Jacaré que residiam nas proximidades, de imediato liguei pra Nely, minha promessa estava caminhando para ser paga.
Agora no mês de junho Nely chegou em Paulo Afonso e de imediato seguimos para o Alto dos Coelhos e de lá seguimos com Aldiro e seu Filho para o povoado   Tabuleiro. Lá reside Alexandrina, uma neta de Jacaré. O encontro foi marcado por uma forte emoção.
Do Tabuleiro seguimos para o Km 35 onde reside mais duas filhas de Bianor (filho único de Jacaré): Maria e Edilene.
Deivid, Aldiro, Maria, Nely, Irene e sua filha Andrea.
Do Tabuleiro seguimos até o povoado Tinguí onde fomos conhecer Gonçalo Joaquim de Oliveira, que teve seu pai, o sr. Joaquim Soares de Oliveira, assassinado por Lampião.
no Tinguí encontramos Gonçalo sentado, curtindo a sombra da igreja, frente a sua casa.
Gonçalo não gosta de relembrar a morte do pai, que era proprietário da fazenda Craunã.
Lampião mandou pedir dinheiro e mesmo Joaquim enviando o montante e alguns maços de cigarros desabafou com o vaqueiro Antonio Zezé, encarregado de levar o dinheiro, que era duro trabalhar e mandar o dinheiro para quem não trabalhava. Lampião enfurecido seguiu ao encontro do velho sertanejo e lá chegando, mesmo tendo Joaquim oferecido café e sua esposa estando em adiantado estado de gravidez, Lampião matou o o pai e os filhos Zequinha  e Luquinha.
Gonçalo se resigna na sua dor eterna e mesmo assim conseguimos extrair alguns sorrisos de sua face sofrida.

No Alto dos Coelhos um encontro marcante entre Nely e o filho de Barra Nova.
 Nely e João Maurício, filho de Barra Nova: Um Encontro repleto de emoções.
João Maurício, Nely e João Lima.
Retornando a Paulo Afonso, uma passada para rever Damarys e Pedro Soares (Nora e filho da cangaceira ARISTEIA)
Entre o Tabuleiro e o Tingui, a casa de Lúcio Braga de Lima, um dos homens que acusou Jacaré de ser um dos participantes da morte de Delmiro Gouveia)
no Tinguí, a igrejinha é um marco daquela época do cangaço.
Bianor: filho de Jacaré e o sobrinho que por tantos anos Moreno procurou encontrar.
Nely, Alexandrina e sua filha.

4 comentários:

  1. Parabéns, bravo pesquisador.
    Abraços do amigo e admirador
    Geraldo Ferraz

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo blog... A temática abordada(Lampião)é muito interessante. Vou voltar com mais tempo, para conferir as histórias do cangaço...

    ResponderExcluir
  3. Olá, sou bisneta de Barra Nova,meu avô Joaquim Maurício é irmão de João e moramos em Delmiro,fiquei muito feliz em conhecer o seu blog, sucessos!
    um abraço,
    Jamila Correia

    ResponderExcluir
  4. Mas olhe só a coincidência da vida: sou ao mesmo tempo descendente de cangaceiros e de vítimas do cangaço. Neta de João Maurício e de Gonçalo Oliveira

    ResponderExcluir