segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

MEU PAI RAIMUNDO PIANCÓ - A HISTÓRIA DO SEU CAMINHÃO - www.joaodesousalima.blogspot.com



           Meu pai, Raimundo Piancó, nascido na Maniçoba, Itapetim, Pernambuco, sendo o filho mais novo do casal Serafim José de Lima (Serafim Piancó) e Maria Joaquina de Lima, seguiu como profissão a mesma função do seu irmão mais velho, João, que era “Chofer” (palavra oriunda do Francês Chauffeur) de caminhão.
 Serafim Piancó era um dos quatro irmãos, três homens e uma mulher, naturais do Piancó, Paraíba, que foram os fundadores da cidade de Itapetim.
    Raimundo com seu caminhão transportava as pessoas que iam para a feira de Itapetim. Em uma dessas viagens, com o caminhão abarrotado de gente, indo na carroceria o meu irmão Zezé e o primo João Piancó e, ainda, o famoso cabo Bedô (que foi um dos perseguidores de Lampião) e mais quatro soldados da polícia pernambucana, em quanto desciam a íngreme ladeira que vai da Maniçoba a Itapetim, o caminhão faltou freio. Quando Raimundo reduziu as marchas para diminuir a velocidade, a barra de direção quebrou.
Agindo com o raciocínio rápido e como última solução para salvar as vidas que iam sob seu comando, a ação mais imediata foi jogar o carro para bater em uma barreira.
Com o impacto do caminhão varias pessoas caíram do veiculo. Gritos  ecoaram. Papai saiu socorrendo as pessoas e por providencia de Deus ninguém se feriu gravemente. Zezé pensando que o cabo Bedô e os soldados poderiam prender papai pegou uma pedra e se dirigiu para onde papai estava e quando se aproximou o cabo Bedô falou:
- Pode deixar que Raimundo ta garantido por mim, aqui ninguém mexe com ele!
João Piancó se aproximou de papai e ouviu quando ele desabafou:
- Eita fino da gota!
- Fino em quê padrinho Raimundo
- Fino na vida, meu filho!
     Alguns dias depois desse acidente, papai se encontrou com os poetas repentistas Agostinho Cajá e Zé Soares. Os versos foram feitos, porém se perderam no tempo.
 Ouvindo por diversas vezes essa história do próprio papai, só fiquei sabendo do mote através do irmão Zezé. O mote foi:
“NAS HORAS ESTREITAS DA VIDA
JESUS AMOSTRA O CAMINHO”

Lembrando do mote eu escrevi:

NAS PROCELAS QUE PASSAMOS
NOS MOMENTOS MAIS CRUEIS
ESCREVENDO NOS PAPEIS
 FATOS QUE VIVENCIAMOS
MARCAS QUE CONQUISTAMOS
 PÁGINAS QUE GRAVA CARINHO
SINAL QUE GUARDA ESPINHO
REGISTRO DE VIDA SOFRIDA
NAS HORAS ESTREITAS DA VIDA
JESUS AMOSTRA O CAMINHO

NA TORMENTA QUE PASSOU
TEMPO PENOSO NA HISTÓRIA
GUARDANDO NA MEMÓRIA
UM FATO QUE REPRESENTOU
UMA MARCA QUE FICOU
UMA HISTÓRIA GUARNECIDA
NA LEMBRANÇA PADECIDA
TAÇA AMARGA COM VINHO
NAS HORAS ESTREITAS DA VIDA
JESUS AMOSTRA O CAMINHO



Nenhum comentário:

Postar um comentário